10 conceitos do neuromarketing que você precisa conhecer.

 

Entenda como o neuromarketing pode ajudar a compreender o comportamento de compra do cliente e a melhorar suas ações de marketing na loja.

O neuromarketing é a junção da neurociência e do marketing. Utilizamos seus conceitos para analisar o comportamento do cliente na loja e maximizar as chances de sucesso das ações de marketing. Ele pode ser considerado como uma das principais chaves para o entendimento da lógica de consumo no varejo, já que analisa os níveis de emoção, memória e atenção frente aos estímulos externos recebidos a fim de compreender os desejos, impulsos e motivações das pessoas.

Já sabemos que 95% de nossas decisões de compra não são racionais, ou seja, que nosso inconsciente exerce grande influência nas escolhas de o quê, onde, quando e como compramos algo. A partir desse conhecimento, apresentamos abaixo 10 tópicos de neuromarketing para o varejo. Divirta-se!

 

1. Sensação de perda.

Somos, por natureza, competitivos e, por isso, procuramos evitar a sensação de perda. Frases de impacto que despertem o sentido de urgência, escassez e novidade, certamente irão chamar a atenção do cérebro do consumidor. A possibilidade de não termos mais a oportunidade de adquirir algo que outras pessoas conseguiram, não é prazerosa para nosso cérebro. A imposição de limite de tempo ou de quantidade de unidades, por exemplo, além de encorajar os clientes à compra, faz com que se sintam pertencentes à um grupo privilegiado de pessoas que conseguiram adquirir algo raro.

 

2. Cada coisa a seu tempo.

Ao entrar na loja, o cliente inicia sua jornada de compra, que possui várias etapas a serem percorridas. E cada etapa desta jornada, tem suas características próprias e é muito importante respeitá-las. Cada uma a seu tempo. Por exemplo, dar ênfase ao preço e formas de pagamento antes de criar uma conexão entre o cliente e o produto, pode aumentar o número de desistências de compra.

 

3. Emoções conectam as pessoas.

Normalmente, encontramos certa dificuldade em memorizar listas de compras, especificações técnicas, detalhes de produtos, etc. Entretanto, facilmente nos lembramos de histórias, imagens, sensações, entre outras percepções que tenham criado vínculos emocionais conosco. Relações frias e distantes não aproximam os consumidores da sua marca, por isso, associe seus produtos, marcas, serviços e atendimento à emoções.

 

4. O que você faz é mais interessante do que quem você é.

Propostas que tornem a vida dos consumidores mais fáceis, economizando tempo, melhorando a qualidade de vida e bem-estar, entre outros benefícios, serão percebidas mais rapidamente pelos clientes do que aquelas que simplesmente se apoiam na história da marca. Quanto mais inspirado estiver o consumidor com as possibilidades que o produto ou serviço oferece, mais distante da concorrência sua marca estará.

Podemos citar Uber, Alibaba, Facebook, Airbnb, como exemplos de novas propostas de grande sucesso, que surgiram sem tradição anterior, mas que fizeram com que os consumidores se identificassem pelos seus benefícios.

 

5. Cliente vê, cliente faz.

Imagens são poderosas. Elas são processadas 60 mil vezes mais rapidamente que textos, sem contar que são muito mais memoráveis. Elas são, portanto, uma excelente maneira de motivar ações em seu consumidor. Graças às células chamadas neurônios-espelho, nosso cérebro tende a reproduzir gestos e ações, respondendo instintivamente aos estímulos. Por exemplo, bocejamos instintivamente quando vemos alguém bocejar e nos emocionamos quando assistimos à um filme triste.

O uso de imagens/filmes para transmitir conceitos, ideias e propostas de produtos pode ser um importante instrumento de comunicação com o cliente para induzir sensações e criar empatia.

 

6. Marcadores Somáticos.

Marcadores somáticos funcionam como “atalhos cerebrais”. Estes “atalhos” são formados a partir das nossas experiências de vida. Eles nos ajudam a tomar decisões de maneira mais rápida, escolher entre o bom e o ruim, nos protegendo de repetir experiências que foram classificadas pelo cérebro como indesejadas. Os marcadores somáticos são potencialmente poderosos no varejo, já que eles são pontos-chave para a tomada de decisão de compra e, principalmente, de recompra dos clientes.

 

7. Gêneros.

Homens e mulheres compram diferente, pois, interpretam o mundo de maneiras distintas. Além das influencias biológicas, a diferença cultural também direciona o processo de compra, já que a tomada de decisão é realizada através do uso inconsciente de filtros culturais, ou conceitos pré-existentes. Esses filtros, começam a se formar em nossa infância, através da maneira como somos socializados, e nos acompanham por toda a nossa vida. Entender e interpretar as necessidades de cada gênero é um grande passo para se conectar com os clientes.

 

8. Gestão da Dopamina.

A Dopamina é conhecida como uma das substancias mais viciantes existentes para o ser humano. Ela é liberada pelo nosso cérebro, quando estamos vivenciando, ou na eminencia de vivenciar, uma situação agradável (compras, sexo, comida, etc). Esta substancia, causa no individuo uma sensação de prazer e euforia que o impele a continuar realizando aquela ação, e a repeti-la mais vezes.

É possível estimular a produção de Dopamina nos clientes e, por consequência, produzir sensações de prazer e bem-estar no momento da compra, gerenciando seus desejos.

 

9. O que tem de novidade?

Nosso cérebro é programado para procurar o novo. Na verdade, somos atraídos por ele. E é fácil entender o porquê. Precisamos decodificar ao longo do dia, inúmeras informações e, para isso, nosso cérebro irá dividi-las em dois grupos: as conhecidas (seguras e previsíveis) e as não conhecidas (que precisam ser entendidas). E investirá maior energia para o segundo grupo.

 

10. Pagar pode ser associado a dor.

Estudos de neuromarketing indicam que ao realizarmos o pagamento, áreas do cérebro relacionadas à dor são estimuladas. É neste momento da jornada de compra do consumidor, que o envolvimento emocional cede lugar ao racional.  O cliente poderá passar horas na loja para escolher o produto, mas aguardar alguns minutos na fila para realizar o pagamento irá parecer uma eternidade.

 

 

 

 

Voltar para Comportamento de Compra

Os editoriais representados nesse site não expressam necessariamente a opinião das organizações mencionadas. Os textos são escritos por analistas de mercado de/para Dexi Marketing Ltda. com informações e imagens disponíveis na mídia. Não têm qualquer vínculo comercial ou publicitário com o seu editor. Assim, a Dexi espera colaborar com informações técnicas para o desenvolvimento do conhecimento do varejo e estudos do comportamento de consumo.

© 2016 por Dexi Marketing Ltda. Todos os direiros reservados.