Marcas que contam histórias

 

Duas histórias de marcas que agregam um valor adicional expressivo aos produtos que vendem.

Várias marcas desenvolvem estratégias de diferenciação da concorrência e agregam valor aos seus produtos finais criando histórias coerentes, conscientes e verdadeiras sobre seus próprios valores e crenças. Conheça duas marcas emergentes com propostas como essa.


BeGood
Talvez você já tenha ouvido alguma coisa sobre ecomoda. São roupas e acessórios feitos com fibras, tintas e tecidos naturais, criados para causar o menor impacto possível na natureza. Nessa trilha, uma nova marca chamada BeGood, originária de São Francisco nos Estados Unidos, pretende se tornar o primeiro varejista de circuito fechado, produtos vendidos nas lojas da marca, a ter uma linha completa de vestuário fundamentada nos conceitos da ecomoda.

Mais do que produtos ecologicamente corretos, a BeGood desenvolveu um conceito coerente entre seu discurso, e sua prática. Os produtos comercializados pela marca têm estilo casual, design e cores básicas para garantir que a roupa não saia de moda rapidamente, e boa qualidade de tecido para que os produtos durem mais. É comum os varejistas incentivarem o consumo para gerar venda adicional e constantes idas dos clientes às lojas, a aposta estratégica da BeGood é contrária. Os resultados de vendas têm sido animadores, a marca foi listada recentemente num ranking de empreendedores emergentes e investimentos atrativos da costa oeste norte-americana, junto com empresas de tecnologia que sempre figuram nessa lista.

O plano de negócios da BeGood foi desenvolvido pela ex-CFO da rede de lojas GAP, Jessica Chan. A grade de produtos é construída a partir do pensamento de que os clientes que se ligarem à marca devem ter um guarda-roupa pequeno, de boa qualidade, para não gerar desperdícios. Ainda, para reforçar o posicionamento da marca, a BeGood também doa, para cada produto vendido, 43 litros de água potável às regiões necessitadas, porque esse é o equivalente à água poluída num processo comum de produção de uma peça de vestuário.

Boxed Water

Uma empresa, também nos Estados Unidos, tem um desafio ecológico e uma proposta de negócios arrojada: substituir a venda de água em garrafas PET por caixas de papelão. O desafio envolve provar para os consumidores que a água em caixa é melhor para natureza que o plástico, e números não faltam. Enquanto 75% da embalagem de cartão é feita de papel que dura pouco tempo na natureza, a PET é 100% plástico que dura mil anos. A embalagem retangular de cartão também economiza expressivamente caminhões para o transporte, reduz a emissão de carbono, utiliza menos energia para reciclagem dos resíduos, entre outros benefícios para a natureza que a marca faz questão de destacar.

Passados 6 anos desde a sua fundação, a Boxed Water tem conquistado a simpatia do público, várias celebridades têm gerado mídia espontânea e os números de venda são sólidos, tanto que a marca já prepara sua segunda fábrica. No varejo, o preço do produto é um pouco superior às embalagens plásticas. A Boxed Water explica que o sucesso de mercado do produto está baseado no fato que as pessoas acreditam que pequenas escolhas nos hábitos de consumo podem fazer uma grande diferença para o meio ambiente, e que adotar práticas ecologicamente corretas não é mais uma tendência, mas uma realidade capaz de sustentar organizações inteiras. A empresa declara o compromisso de destinar 20% do seu lucro líquido anual às ações de reflorestamento e distribuição de água às comunidades carentes.

Os editoriais representados nesse site não expressam necessariamente a opinião das organizações mencionadas. Os textos são escritos por analistas de mercado de/para Dexi Marketing Ltda. com informações e imagens disponíveis na mídia. Não têm qualquer vínculo comercial ou publicitário com o seu editor. Assim, a Dexi espera colaborar com informações técnicas para o desenvolvimento do conhecimento do varejo e estudos do comportamento de consumo.

© 2016 por Dexi Marketing Ltda. Todos os direiros reservados.